Valery encontra seu lugar feliz

Smile Train

Jaime viu uma fissura pela primeira vez na TV. O programa apresentava bebês gêmeos, cada um com uma fissura. Ele não conseguia imaginar que isso era possível. No dia seguinte, na casa de sua esposa, Diana, e com o resultado de um ultrassom de sete meses, ele viu outro bebê com uma fissura na tela. Desta vez, a situação era realmente inimaginável.

Quando o médico contou a eles a notícia, Diana olhou para Jaime, confusa e com medo. Embora ele soubesse exatamente o que estava acontecendo, não conseguiu responder à pergunta dela. Ele não conseguia nem mesmo respirar.

Felizmente, o médico sabia o que dizer, e os encaminhou à Clínica Noel, parceira da Smile Train em Medellín e ao hospital que ele lhes garantiu ser “o melhor da Colômbia”.

Embora Valery não tenha nascido na Clínica Noel, um médico da Clínica veio ao hospital para estar com Diana e Jaime naquele dia, e para explicar o que eles deveriam esperar para o futuro.

A fissura da Valery a fez se engasgar com o leite da Diana. Ela estaria em grave risco de desnutrição se a equipe da Clínica Noel não tivesse intervindo. Eles ensinaram Diana a alimentar sua filha para que o leite descesse pela garganta e não saísse pelo nariz ou pulmões, e forneceram mamadeiras especialmente projetadas para bebês com fissuras. Com este apoio, Valery ficou saudável o suficiente para receber a sua primeira cirurgia de fissura aos três meses, o mais rápido possível, mas com segurança.

Ela fez uma segunda cirurgia de fissura muito importante, mais ou menos ao completar um ano. E como as crianças com fissuras geralmente têm dificuldade para falar mesmo após a cirurgia, ela começou sua fonoaudiologia financiada terapia da fala patrocinada pela Smile Train e com especialistas treinados, quase tão logo começou a falar.

Para baixo e para fora

Quando chegou a hora de começar a escola, Valery estava tão animada que não conseguia dormir. Ela se sentia pronta - suas cirurgias eram de alto nível, e ela estava trabalhando duro e alcançando progressos reais com sua terapia da falasuas sessões de fonoaudiologia. Mas valentões do bullying percebem tudo, até mesmo a cicatriz mais suave sob o lábio de uma menina tímida, ou a nasalidade em sua voz. A escola foi um inferno desde o primeiro dia. Os colegas de sala não apenas a intimidavam; eles a atacavam fisicamente. E não parou por aí; eles até vieram atrás de seu irmãozinho, Andreas.

Andreas segura um ursinho de pelúcia Smile Train sorrindo

Mais uma vez, Valery não conseguia dormir e também não podia comer; ela forçou pequenas colheres de comida para dentro da boca apenas para vomitá-las e dizer que estava doente para não ir à escola. Ela aproveitava qualquer desculpa para ficar em casa.

“Se ela não dormia, obviamente eu dormia ainda menos, porque estava de olho nela”, disse Diana.

Era demais para uma aluna da primeira série. Seus pais a tiraram da escola antes da segunda série para que ela pudesse passar seu tempo em lugares mais felizes, crescer e encontrar suas paixões junto a pessoas que se preocupam com ela. Ela aprendeu natação, voleibol, dança e teatro, o que aumentou a sua confiança. Cada uma dessas atividades permitiu que ela finalmente aprendesse a ser confiante. Mas o lugar onde ela era mais feliz, e o lugar onde mais aprendia, era sempre na Clínica Noel.

Curando a criança como um todo, e sua família inteira

A Clínica Noel é líder mundial em serviços psicossociais para crianças com fissuras labiopalatinas e suas famílias. Em reuniões regulares com conselheiros, Valery, Diana, Jaime e Andreas aprenderam a lidar com seus traumas, cada um à sua própria maneira. Eles também encorajaram Diana a continuar inscrevendo Valery em atividades comunitárias que a ajudariam a integrar-se socialmente e a construir sua autoestima.

A família de Valery sorri e segura ursinhos de pelúcia com seus melhores amigos da Clínica Noel

Valery acabou perdendo a segunda e terceira séries. Aos oito anos, ela começou o quarto ano em uma nova escola. Embora ainda tímida, sua nova autoestima resplandeceu. Não por acaso, isso também aconteceu por volta da época em que ela conheceu Camila Osorio, uma psicóloga pediátrica na Clínica Noel.

Camila rapidamente se tornou a amiga e confidente mais confiável de Valery, alguém com quem ela podia conversar e desabafar a cada semana com tranquilidade. Além de proporcionar essa experiência transformadora, Camila também apresentou a família ao Projeto Vida na Clínica Noel, administrado por ela.

Muito mais que uma mudança estática

O Projeto Vida constrói uma comunidade de crianças afetadas por fissuras labiopalatinas e suas famílias, em Medellín. Valery e sua família vão a todos os eventos que podem. Só nos últimos anos, eles pintaram camisetas, coloriram mandalas, fizeram máscaras faciais, pizzas e muito mais.

Valery segura mandala que fez no Projeto Vida

“A sessão de pizza foi muito legal porque aprendemos uns sobre os outros. Conversei muito com a garota com quem fiz a pizza. Contamos uma à outra as nossas histórias de vida”, disse Valery, acrescentando que conhecer outras crianças com fissuras “me motiva muito e às vezes me deixa triste”.

Embora Valery tenha adorado todas as oficinas de que participou, uma recente sobre aplicação de maquiagem foi particularmente especial. Ela conseguiu fazer uma maquiagem em sua mãe e, no final, os participantes foram desafiados a ir para casa e fazer um vídeo de si mesmos fazendo maquiagem, com o vencedor ganhando um kit de maquiagem completo. “Eu senti felicidade pura quando ganhei”, disse Valery.

Valery sorri com Andreas pegando um pincel de maquiagem de Diana

“Temos feito muitas atividades, e elas nos fortalecem como família”, disse Diana. “Esses espaços são super importantes, super legais”. A parte mais empolgante é que podemos conhecer outras famílias afetadas por fissuras labiopalatina e ouvir suas histórias e lutas, e nos identificarmos com elas”.

Para Camila, essa é a questão. “Uma parte importante do que fazemos é dar aos pais o seu próprio sistema de apoio”, disse ela. “O que tentamos fazer com cada atividade é engajar os pais e irmãos para que eles possam formar esse sistema de apoio”.

Novamente sem fala

Agora com 13 anos, Valery caminha pelos corredores da sua escola com confiança e um sorriso; e por que não deveria? Todos na escola sabem de sua fissura e a apoiam e encorajam durante a sua jornada de tratamento; ela está rodeada de amigos em todas as turmas.

Valery sorri segurando um ursinho de pelúcia

Valery planeja ser cirurgiã quando crescer “para ajudar mais crianças com fissuras labiopalatinas e motivá-las”.

Jaime e Diana acreditam que o bullying nasce da ignorância e do medo. Portanto, eles estão sempre em busca de oportunidades para educar seus amigos e vizinhos sobre fissuras labiopalatinas e direcionar outras famílias afetadas para a Clínica Noel.

“Se não fosse a Smile Train e a Clínica Noel, não sei o que teria sido de nós. Eles fortaleceram Valery de uma forma que deu poder não só a ela, mas a nós também. A todos os doadores da Smile Train, gostaríamos de dizer obrigada, de verdade. Sentimos um agradecimento infinito”, disse Diana.

Pensando na jornada de sua filha e da sua família a partir daquela fatídica ultrassonografia, Jaime fica novamente sem palavras. “Não precisamos usar palavras - olhe para ela. Gratidão. É apenas gratidão”.


Ajude-nos a transformar as vidas de crianças e famílias carentes em todo o mundo. Faça uma doação agora!.

Receba as Novidades da Smile Train

Veja também...

Newsroom

"Sendo mãe de uma criança afetada por uma fissura, é muito importante para mim ser capaz...

Patient

Localização é tudo. Para muitas pessoas que vivem na Cordilheira dos Andes, quanto mais...

Patient

Quando Dani nasceu com uma fissura, sua família entendeu que teria um caminho difícil a...