SUPERANDO A DISTÂNCIA: MANTENDO O ATENDIMENTO DURANTE A PANDEMIA DO COVID-19

Smile Train

“Cada mão que não apertamos deve se tornar uma ligação que fazemos. Cada abraço que evitamos deve se tornar uma manifestação verbal de afeto e preocupação. Cada centímetro e cada metro que colocamos fisicamente entre nós, deve se tornar um pensamento de como podemos ajudar ao outro, caso seja necessário.” - Rabbi Yosef Kanefsky

Elaine Libório nunca pensou que estaria trabalhando em uma situação como a da pandemia do COVID-19.

Há quatro anos, ela é a fonoaudióloga da Associação Beija-Flor, um parceiro da Smile Train em Fortaleza, Ceará. O trabalho dela com os pacientes com fissura já tem mais de 15 anos.

O COVID-19 obrigou Elaine a se recolher em casa, já que faz parte do grupo de risco para contrair o vírus. No entanto, ela não conseguia parar de se preocupar com os pacientes que não teriam acesso ao tratamento de fonoaudiologia durante a pandemia. As crianças com fissura são especialmente afetadas pela interrupção nos tratamentos.

Quando ficou claro que o isolamento social duraria um período ainda mais longo, ela sabia que tinha que agir. Quando o Conselho Federal de Fonoaudiologia do Brasil autorizou o atendimento on-line, os funcionários e a diretoria da Associação Beija-Flor trabalharam com Elaine para desenvolver um programa de fonoaudiologia à distância para os seus pacientes.

Speech Therapy Patients

Elaine ficou emocionada ao ver o impacto das consultas não só com os pacientes, mas também com as famílias. Os pais, sempre essenciais no sucesso da fonoterapia, foram fundamentais para o trabalho de Elaine durante as consultas à distância.

“Como a maioria dos pacientes são pequenos, os pais devem estar junto como facilitadores na consulta. Isso fez com que eles (pacientes) participassem mais durante as consultas on-line e entendessem exatamente como a terapia funcionava. Foi uma experiência fantástica, muito além das minhas expectativas”, conta Elaine.

O programa da Beija-Flor e o trabalho de Elaine também inspiraram outro parceiro da Smile Train, o CTAC da Policlínica Piquet Carneiro da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. No CTAC (Centro de Tratamento de Anomalias Craniofaciais), a fonoaudióloga Livia Scelza passou a dar orientações de fala para as mães das crianças com fissura via WhatsApp e Facebook, depois que a pandemia a obrigou a adiar as consultas nos consultórios com as famílias.

CTAC patient and mother before COVID-19 lockdown

Ela notou um aumento na demanda de apoio on-line pelas mães – aquelas cujas crianças tiveram suas cirurgias de palato postergadas, aquelas que estavam cuidando dos seus recém-nascidos com fissuras, e as gestantes ávidas para saber quais cuidados precisariam tomar com seus bebês que estavam próximos a nascer. Com as orientações de Elaine, Livia e sua equipe montaram seu próprio atendimento on-line para suporte adicional às crianças com fissuras através do Facebook.

“Mudamos a nossa estratégia para chegar até essas famílias que estavam fazendo o tratamento no hospital para convidá-las a participarem das consultas on-line. Também queríamos buscar os pacientes que haviam feito recentemente a cirurgia para saber se precisavam orientações de nutrição. Em 2 de abril, começamos a contatar os pacientes que tiveram as suas consultas no consultório canceladas, oferecendo a possibilidade de ter o tratamento on-line, com um novo horário.”

Os resultados até agora garantem que pacientes como a Isabella – que recebe tratamento por aversão a alimentos, além da fonoaudiologia – não fiquem para trás.

Isabella in Speech Therapy

A gerente de programas da Smile Train, Camila Ferreira, trabalhou junto aos parceiros para garantir que a organização pudesse apoiar os programas inovadores de telemedicina e a atenção contínua aos pacientes e famílias.

“A Smile Train Brasil tem o enorme orgulho de ter parceiros que não fogem das dificuldades. O projeto de telemedicina foi criado em tempos de incerteza e muitos parceiros se uniram para continuar assistindo os seus pacientes. Durante esta situação desafiadora que todos estamos vivendo, é incrível e extremamente motivador testemunhar a dedicação deles aos seus pacientes”, conta Camila.

Para Elaine da Beija-Flor, os benefícios da telemedicina se estenderão além da pandemia.

“Temos muitos pacientes do interior, que não podem vir para o tratamento toda semana. Isso pode ser uma alternativa viável para que não fiquem sem atendimento”, diz Elaine. “Como tudo que passamos em nossas vidas, temos que aproveitar para saber o que podemos aprender e nos reinventar. Acredito que esta doença veio para ajudar a pensar novas ideias a partir de antigas práticas, tornando-nos ainda mais ativos no suporte aos pacientes com fissura, que precisam de muito apoio.”


Ajude os parceiros da Smile Train a oferecer tratamento aos seus pacientes em tempos de extremas necessidades. Por favor, doe agora.

Receba as Novidades da Smile Train

Veja também...

Partner

Quando Adahara nasceu com uma fissura em Chacaltianguis, no México, ninguém no hospital...