Ramses: Como o instinto materno tornou possível o impossível

Smile Train

Quando Rosa estava grávida de seu terceiro bebê, ela soube desde o primeiro dia que ele seria o seu primeiro menino. Embora ninguém acreditasse quando Rosa dizia isso, a certeza dela crescia ao mesmo tempo que sua barriga. Esse era seu instinto materno.

Rosa experimentou os típicos enjoos matinais e náuseas, mas esta gravidez parecia diferente das duas primeiras. Entre os seis e sete meses de gestação, Rosa ficou preocupada com alguns tremores que sentia em seu útero.

“Parecia um cachorro sacudindo a água depois de um banho. Eu podia sentir isso dentro de mim”. Rosa entrou em pânico, mas não queria que essa preocupação a desesperasse. Afinal de contas, sua família estava empolgada em conhecer seu novo filho, Ramses.

Quando finalmente chegou o dia de conhecer Ramses, ela precisou de uma anestesia geral devido à cirurgia do parto ser complicada, mas, quando ela acordou, ninguém trouxe o bebê.

Posteriormente o médico chegou e lhe deu a notícia: o bebê tinha uma fissura - uma diferença de nascimento relativamente comum que não era de modo algum culpa dela. O bebê estava na UTI neonatal devido a um grave risco de infecção.

Durante as horas após o nascimento de Ramses, Rosa e seu marido, Luis, não puderam conhecê-lo ou segurá-lo nos braços. Eles não sabiam como era o rosto de seu bebê e não podiam apresentá-lo à família. Angustiados e perdidos, eles sentiam como se o mundo tivesse virado de cabeça para baixo de repente.

A mão cobrindo a boca

Uma enfermeira, no entanto, teve compaixão por Rosa e trouxe Ramses até ela.

Quando viu seu filho pela primeira vez, ele estava com a mão cobrindo a boca, como se já estivesse consciente de sua fissura.

Ninando seu bebê, Rosa sussurrou repetidas vezes que o amava. Ela disse ao filho que não se importava com a forma como ele havia nascido. Que ele era filho dela e essa era a única coisa que importava.

Durante alguns minutos, Ramses e Rosa viveram em seu próprio mundo lindo e doce.

“Ele tirou a mão sozinho”, disse Rosa, e ela viu o sorriso do filho pela primeira vez.

O primeiro momento de mãe e filho durou pouco. Logo depois, uma enfermeira chegou para levar Ramses de volta à UTI neonatal. Ele precisaria ficar no hospital por mais tempo do que Rosa, já que precisava de mais assistência médica.

Relutantemente, Rosa e Luis foram para casa e o bebê ficou no hospital. No caminho de volta, Rosa só conseguia pensar no momento em que o filho abriu os olhos e sorriu para ela.

Ela não conseguiu conter as lágrimas. Apesar de não entender nada sobre fissuras, Rosa soube naquele momento que faria tudo o que estivesse ao seu alcance para garantir que Ramses crescesse com saúde. Ela não deixaria seu filho perder nada na vida.

Tudo ficaria bem com a sua família, ela pensou. Haveria muitos desafios e obstáculos, mas eles persistiriam.

Ramses eating

Não foi fácil, mas também não foi impossível.

Após 15 dias de tratamento intensivo, Ramses finalmente foi para casa, para perto de sua família.

No começo tudo era difícil. Tudo o que Rosa acreditava confiantemente saber sobre “maternidade” de repente foi jogado pela janela.

“Eu não sabia o que significava para um menininho ter uma fissura”, ela lamentou.

Rosa não sabia como amamentar Ramses, então a enfermeira do hospital precisou ensiná-la. Havia um certo ângulo que ela tinha que encontrar para garantir que o leite entraria no estômago do filho e não sairia pelo nariz ou pulmões. Era uma tarefa assustadora e ela vivia com um medo constante de sufocar seu bebê.

Mas, Rosa não deixou que esta dificuldade destruísse a sua esperança no futuro brilhante de seu filho. Ela começou a pesquisar sobre fissuras e eventualmente encontrou alguns folhetos da Smile Train, que diziam existir cirurgias gratuitas e seguras disponíveis.

Rosa rapidamente entrou em contato com uma enfermeira que trabalhava na Misión Caritas Felices (MCF), localizada nas proximidades de Lima. Uma vez lá, foi programada uma cirurgia para curar a fissura labial de Ramses quando ele completou três meses de idade, a menor idade possível para um procedimento seguro..

Descobrir que a fissura de Ramses poderia ser tratada fez com que Rosa começasse a sentir que suas esperanças eram justificadas. Ela começou a se sentir melhor, até mesmo empoderada.

Nas semanas que antecederam a cirurgia, cada ação de Rosa para cuidar de seu filho recém-nascido foi feita com atenção e cautela extras. Ela sabia que se ele adoecesse ou se seus níveis de hemoglobina diminuíssem, a cirurgia não poderia ser realizada.

Quando o grande dia chegou, Rosa quis continuar confiante e tranquila por sua família e Ramses, que estava chorando por não poder se alimentar nas horas anteriores à cirurgia. Mas ela ainda tremia de medo.

Muitos “e se” inundavam a sua mente. E se a cirurgia não der certo? O que acontece depois? O que isto significa para ela como mãe? O que acontecerá com Ramses?

A enfermeira se sentou ao lado dela, fora da sala de cirurgia, e a tranquilizou:

“Vai ficar tudo bem.”

E ficou. Quando o médico trouxe Ramses para ver Rosa, ela quase não conseguiu reconhecê-lo.

“Eu fiquei tão feliz, tão emocionada, tão maravilhada!”, exclamou Rosa.

Quando Rosa levou Ramses de volta para casa, se certificou de desinfetar tudo. Qualquer infecção no local da cirurgia o impediria de se recuperar adequadamente. Ela também precisava garantir que ele não colocaria nada na boca de forma acidental.

Quando Rosa levou Ramses de volta para casa, se certificou de desinfetar tudo. Qualquer infecção no local da cirurgia o impediria de se recuperar adequadamente. Ela também precisava garantir que ele não colocaria nada na boca de forma acidental.

Rosa observava Ramses a cada segundo, com medo de perdê-lo de vista.

Rosa viveu esta experiência como mais um período de grandes dificuldades. Ela às vezes se sentia sobrecarregada com tudo o que precisava fazer. Mas, também recebeu muita orientação, incentivo e apoio da Smile Train.

“Eles foram muito acolhedores. Nos sentimos em casa, eles realmente cuidaram de nós”, disse Rosa.

Finalmente, logo após Ramses completar dois anos, a equipe da MCF concluiu que ele estava saudável o suficiente para a realizar cirurgia gratuita de que precisava para reparar sua fissura de palato.

De repente, uma nova vida se abriu diante de seus olhos.

Ramses holding a picture of himself before cleft surgery

Para continuar, para seguir em frente

No entanto, esta cirurgia não seria o fim da jornada de Ramses. Ele ainda tinha dificuldades para falar e, mais uma vez, a Smile Train estava lá. Quando ele tinha seis anos, a equipe começou a patrocinar a terapia de fonoaudiologia gratuita para ele na MCF.

Isso foi no início de 2020. Quando a pandemia chegou ao Peru e tudo parou. Rosa temia que, com as viagens não sendo mais possíveis, Ramses tivesse que abandonar a terapia de fonoaudiologia.

Felizmente, a MCF informou a Rosa que a Smile Train os estava ajudando a tornar a fonoaudiologia de Ramses online, para que ele não ficasse para trás durante o lockdown. Além de estar agradecido por esta oportunidade, Ramses se esforçou muito em todas as suas lições. Ele queria melhorar, queria vencer, queria deixar sua família orgulhosa.

Ramses doing homework with Rosa behind him

E deixou. Rosa ficou preocupada ao matricular Ramses na escola, pois ele ainda precisava aprender a socializar e ouvir como as pessoas falam. Mas sua ansiedade desapareceu rapidamente.

Ramses with his family dog

Ramses se sentia confiante e entusiasmado na escola. Ele nunca teve vergonha ou medo de dizer aos colegas e amigos que tinha uma fissura.

Atualmente com sete anos, Ramses tem sonhos ambiciosos. Ele quer crescer e se tornar astronauta, para poder explorar o espaço – livre, misterioso e emocionante.

Ramses helping Luis

“Ramses é um guerreiro que se esforça para alcançar seus objetivos todos os dias”, disse Rosa.

Ramses sitting on Rosa's lap

Ao refletir sobre a jornada de sua família com a fissura, Rosa percebeu que a jornada de Ramses com a Smile Train também a empoderou.

Ele foi uma fonte de luz que a fez acreditar na possibilidade de ser resiliente, de continuar, de seguir em frente.

Luis, Rosa, Ramses, and Rosa's two daughters

Que nada que parece impossível realmente é.

Você pode tornar o impossível possível, proporcionando a experiência de Rosa para mais pessoas. Doe agora.

Receba as Novidades da Smile Train

Veja também...

Patient

Localização é tudo. Para muitas pessoas que vivem na Cordilheira dos Andes, quanto mais...

Patient

Quando Dani nasceu com uma fissura, sua família entendeu que teria um caminho difícil a...

Staff

Quando Mariane Goes começou seu novo cargo de Diretora de Educação e Treinamento para a...