Luaxana: Cuidados de fissuras labiopalatinas em meio ao Lockdown da COVID

Smile Train

De acordo com Camila, a sua vida em 2019 era atribulada, mas rotineira. Ela vivia com seu namorado, Alexis e trabalhava como caixa enquanto estudava para concluir o ensino médio. Mas, ela mal sabia que uma grande mudança estava a caminho.

A primeira surpresa não foi feliz — Camila perdeu o emprego. Mas, a segunda lhe trouxe alegria — ela estava grávida. Alguns meses depois, aconteceu outro choque — o seu bebê nasceria com fissura labiopalatina. Embora eles soubessem que a filha precisaria enfrentar uma cirurgia e um tratamento de longo prazo, Camila encontrou conforto e esperança na experiência de sua própria família. O seu irmão e o filho dele também nasceram com fissura labiopalatina. Em vez de se concentrar na incerteza em relação ao bebê, Camila decidiu focar nos aspectos positivos.

Luaxana before cleft surgery

“Tenho a experiência do meu irmão, que é um excelente pai um marido maravilhoso. Ele realiza tudo o que se propõe a fazer”. Esta confiança no futuro de seu bebê permitiu que Camila e Alexis abraçassem a alegria de ver a família aumentando. “Soubemos que Luaxana teria uma fissura labiopalatina no mesmo dia em que descobrimos que ela era menina”, ela comenta. “Essa notícia nos deixou muito felizes e a fissura labiopalatina teve uma importância secundária”.

A garotinha e a pandemia global

No dia do nascimento da filha, Camila recordou o caos feliz que estava vivendo. “Alexis contou para toda a família e parecia uma torcida de futebol quando todos chegaram”. No hospital onde o seu irmão tinha nascido, 30 anos antes, os cuidados que ela e a bebê receberam deixaram uma impressão poderosa. “Embora o hospital não tivesse uma equipe especializada, eles sempre nos trataram muito bem”.

Luaxana nasceu em janeiro de 2020, ao mesmo tempo em que a pandemia de COVID-19 estava pegando o mundo de surpresa. A equipe local do hospital recomendou uma outra instalação para o tratamento inicial. Mas esse hospital estava longe, e a família não tinha carro. Alexis e Camila tinham perdido seus empregos, e os bloqueios da COVID estavam apenas começando em Buenos Aires. “Os centros médicos estavam todos colapsados pela COVID-19”, recordou Camila. “Estávamos muito assustados”.

Luaxana with her parents, Camila and Alexis

Eles continuaram a procurar cuidados especializados para a bebê. Uma pesquisa nas redes sociais sugeriu a Asociacion PIEL, e quando os pais buscaram mais informações souberam que, porque a PIEL é parceira da Smile Train, Luaxana receberia a cirurgia e todos os outros cuidados de fissura labiopalatina de que ela precisava, sem qualquer custo para eles.

As notícias trouxeram alívio e alegria, mas as incertezas da pandemia ainda persistiam. A primeira cirurgia de Luaxana, inicialmente marcada para junho, teve que ser adiada até outubro. Nos meses incertos que se seguiram, a família fez exames regulares de telessaúde com a Asociacion PIEL.

“A vida dela nos fará feliz”

No dia da cirurgia, Luaxana só pôde ser acompanhada por um único adulto no hospital, devido aos protocolos da COVID. A mãe então a levou para dentro, acalmando as próprias preocupações para que pudesse ser uma força poderosa para a filha. A equipe médica cuidou das duas de forma excelente, ela lembra, do princípio ao fim.

Luaxana today with her father, Camila and Alexis

Atualmente Luaxana é uma carismática menina de três anos. Seus grandes olhos castanhos refletem a curiosidade e o encanto de uma criança feliz e saudável. Ela foi submetida a uma segunda cirurgia de palato e, graças à dedicação de seus pais aos cuidados abrangentes, Luaxana está se recuperando bem. “As melhorias estéticas e funcionais são fantásticas”, disse Camila. “A Lua pode comer sem sufocar, respira bem, canta e todos podem entender o que ela diz”.

Sua mãe está feliz pelas mudanças positivas que vê atualmente e acredita que a jornada da fissura labiopalatina de sua filha irá mostrar uma perspectiva esperançosa e duradoura. “Tudo o que ela está passando, a cirurgia, tratamentos e experiências vão ajudá-la a ser uma pessoa empática”, disse Camila. “O que a vida reserva para ela nos fará felizes”.”

Ajude a trazer sorrisos para mais crianças como Luaxana e mães como Camila. Doe agora!

Receba as Novidades da Smile Train

Veja também...

Patient

Localização é tudo. Para muitas pessoas que vivem na Cordilheira dos Andes, quanto mais...

Patient

Quando Dani nasceu com uma fissura, sua família entendeu que teria um caminho difícil a...

Staff

Quando Mariane Goes começou seu novo cargo de Diretora de Educação e Treinamento para a...