Kristhell brilhante, cintilante e sorridente

Smile Train

Cinthya vive com o marido e três filhos em uma cabana de madeira nas montanhas acima de Lima, no Peru. Sua filha mais nova, Maria Kristhell, de cinco anos, nasceu com uma fissura labiopalatina. Recentemente nós nos encontramos com ela para saber mais sobre a jornada de sua família com a fissura labiopalatina, e como eles encontraram a Smile Train.

Tenho sempre o cuidado de ir a todas as minhas ultrassonografias quando estou grávida. Desta vez as imagens me tranquilizaram, a bebê estava bem mesmo enquanto eu sofria complicações. Fiquei muito doente; tive dores de cabeça. Me disseram que havia uma hipótese de que eu a perdesse. Aos oito meses e meio, o meu obstetra pediu uma ecografia adicional, em uma unidade de maternidade em Lima.

Foi aí que a enfermeira descobriu a fissura labiopalatina da bebê. “A notícia foi como um banho de água fria caindo sobre mim. Como só descobriram isso agora, depois de tantas outras ultrassonografias não terem revelado nada? Eu fui para casa e chorei. Me senti confusa, triste e não tive coragem de contar ao meu marido. Não queria deixá-lo preocupado.

Dois dias mais tarde, as minhas contrações começaram. Eu tentei ignorá-las, porque ainda não conseguia aceitar que minha bebê tinha uma fissura labiopalatina. Então, a dor se tornou forte demais. O meu marido dirige um caminhão de gás e fica longe todos os dias das sete da manhã às oito da noite, mas como já era tarde, ele estava presente para me levar ao hospital. Me senti culpada por ainda não ter contado a ele sobre a fissura labiopalatina.

Quando Maria Kristhell nasceu, um dos médicos foi grosseiro e me disse para não fingir surpresa, pois eu sabia que ela teria uma fissura labiopalatina. Uma enfermeira viu como eu estava triste e me tranquilizou. Depois me levou a uma sala privada, me ensinou a alimentá-la e me deu um pouco de fórmula para levar para casa. Isso me deu muita força.

As coisas voltaram a ficar difíceis quando voltamos para casa. O meu marido estava tão chocado e assustado com a forma como a Maria nasceu que não conseguiu comer ou se aproximar dela durante dias. Felizmente a família dele não partilhava nenhuma das nossas preocupações. Eles se apaixonaram por ela exatamente como ela era e nos apoiaram como puderam. E nós precisávamos mesmo de ajuda”.

Uma existência precária

Cinthya and Kristhell look down from their home

Foi difícil alimentá-la foi desde o momento em que deixamos o hospital. A fórmula de que ela precisava era muito cara e eu tinha medo de não poder alimentá-la usando colheres sem a ajuda das enfermeiras. Me disseram que eu devia passar a alimentá-la cuidadosamente com uma seringa se não conseguisse fazer a colher funcionar, mas pensei que a poderia machucá-la dessa forma, por isso comecei a alimentá-la com uma garrafa.

Imagine estar sozinha o dia inteiro com uma recém-nascida que engasga sempre que você tenta alimentá-la e que não pode sair de casa porque todos ficam encarando. Imagine como me senti só, diferente e inadequada!

Não importava o que eu fizesse, o leite escorria pelo nariz dela e a sufocava. Quando Maria tinha 15 dias, ficou doente e eu precisei levá-la ao hospital. Enquanto eu chorava na sala de espera, uma mulher se aproximou para perguntar qual o problema. Eu disse a ela que a minha filha tinha nascido com uma fissura labiopalatina e sufocava constantemente. Ela me contou que conhecia uma pessoa, Kathy Sandoval, que trabalhava para uma organização que tratava fissuras labiopalatinas e me deu o número dela. Mas, eu fiquei tão abalada no momento que esqueci o nome e o número, então tive que procurar online quando me senti melhor, alguns dias depois.

Foi assim que eu encontrei a Mision Caritas Felices (MCF), o centro de fissuras labiopalatinas em Lima onde Kathy Sandoval trabalha. Marquei imediatamente uma consulta.

Quando a nossa consulta chegou, a Dra. Olga Rita Figallo examinou a Kristhell e me disse que poderia tratar todos os problemas dela — e porque a MCF é parceira de uma organização chamada Smile Train, todos os cuidados de fissuras labiopalatinas de que ela precisasse seriam 100% gratuitos. Isso foi uma bênção.

A jornada de uma vida começa

Cinthya and Kristhell in 2019

O tratamento de Kristhell começou imediatamente. Primeiro, a Dra. Olga lhe forneceu uma ortodontia personalizada para prepará-la melhor para a cirurgia e nos deu um frasco “ducktail” especializado para facilitar a alimentação dela. Kristhell era tão magra; não posso explicar a alegria que senti ao vê-la ganhar peso!

Quando Kristhell tinha três meses de idade, nos disseram que ela estava pronta para fazer uma cirurgia de fissura labiopalatina num centro médico próximo.

Eu estava tão, tão nervosa no dia da cirurgia! Não haviam familiares disponíveis para me acompanhar e quando levaram minha bebê para a sala de operações, eu estava em pedaços. Felizmente, por acaso encontrei as mães de alguns dos amigos do meu filho e elas ficaram comigo durante a cirurgia para que eu não ficasse sozinha. Parecia uma vida inteira, mas menos de uma hora depois, fiquei tão aliviada e feliz quando vi o rosto de Kristhell!

Um futuro brilhante à vista

O mês seguinte foi muito pacífico; Kristhell se saiu muito bem. Eu segui o regime de tratamento prescrito pela Smile Train e pela MCF, e a família ficou impressionada com a nossa sorte ao ver a bebê saudável e sorridente.

Kristhell is queen of the Andes

A segunda cirurgia de fissura labiopalatina estava marcada para quando ela tinha um ano e meio mas, infelizmente, ela adoeceu pouco antes, por isso foi preciso adiar. Novamente a Smile Train nos ajudou fornecendo comida, alojamento e transporte para que pudéssemos ficar até que ela estivesse suficientemente saudável para a cirurgia.

Depois da cirurgia de fissura de palato, ela começou a fazer terapia da fala com a Dra. Evelyn Cana e um aconselhamento nutricional com a Dra. Adriana Zavalaga. Estes tratamentos têm sido uma mudança de vida para ela, assim como as cirurgias. Ela agora come e fala como qualquer outra criança.

Kristhell holding her kitten in 2019.

O pessoal da MCF vai sempre além — quando a Dra. Evelyn percebeu que Kristhell era míope, deu a nós um voucher para marcar uma consulta com um oftalmologista e depois doou os seus óculos para Kristhell para que ela pudesse enxergar até lá!

Kristhell in school

Kristhell é uma criança muito inteligente. Ela também é falante, participativa e muito engraçada. Me parte o coração pensar que, sem a Smile Train e a MCF, ela poderia nunca ter sido capaz de ir à escola ou se expressar claramente. Agora, o céu é o limite para ela.

Pouco antes da pandemia, ela fez uma terceira cirurgia, com Dr. Percy Rosell, um médico que ela conhece desde que nasceu e que a curou lindamente. É por isso que respondo sempre “não” quando as pessoas me perguntam porque não levo a minha filha às missões cirúrgicas de fissuras labiopalatinas que por vezes vão para Lima — prefiro que a Dra. Rosell (a Dra. Olga, a Dra. Evelyn e a Dra. Adriana) a tratem porque elas a conhecem por toda a sua vida. Quem poderia cuidar da minha filha melhor do que elas?

A Smile Train mudou tudo para a minha família e para mim. Agora, sempre que vejo uma criança com uma fissura labiopalatina sou eu quem dá o número da Kathy à mãe. Digo a elas que fissuras labiopalatinas não são algo de outro mundo. Claro, uma fissura labiopalatina pode chocar porque as pessoas olharão com julgamento, mas estes são os nossos filhos. Nós os trouxemos a este mundo e a MCF e a Smile Train os ajudarão a superar tudo.

Kristhell flashing peace signs in front of her chicken coop

Estou muito grata aos doadores da Smile Train. Eles estão fazendo tantas crianças felizes e as pessoas que trabalham lá e na MCF são incrivelmente amáveis.

Kristhell celebrating her birthday with her brother, father, and mother

Embora o meu marido tenha tido dificuldade em se conectar à Kristhell no início, ele agora tem algo que quer que eu transmita a vocês:

Eu não sabia o que fazer até que vocês apareceram na vida da minha filha. Agora não falta nada a ela. Sempre serei grato e espero que a Smile Train continue a apoiar muitas outras crianças. Não tenho palavras. Obrigado infinitamente, do fundo do meu coração.

Traga esperança e cura para mais crianças necessitadas, em mais de 70 países. Doe agora!

Receba as Novidades da Smile Train

Veja também...

Patient

Javier Anzo pode parecer ser um cara comum. Ele vive na Cidade do México com a esposa,...

Patient

Fidel vive na região rural do Panamá, a quatro horas de caminhada da cidade mais próxima...

Patient

Quando Rosa estava grávida de seu terceiro bebê, ela soube desde o primeiro dia que ele...