Anghelo Soars de Lowest Valley até Highest Peak

Smile Train

Esta história contém referências a tentativas de automutilação e pode não ser adequada para todos os públicos.

Bem no alto dos Andes peruanos, no meio das encostas íngremes e ruínas escarpadas do antigo Império Inca, Michela e Jorje viviam num único quarto de 12 metros quadrados com os seus dois filhos, e outro a caminho. A gravidez foi intensa desde o início. Michaela começou a ter hemorragias apenas no segundo mês; com cinco meses perdeu tanto sangue que precisou de ser hospitalizada para uma transfusão de sangue; um mês depois, precisou ser enviada às pressas para uma cesariana de emergência a doze horas de Lima.

Por milagre, tanto Michela como o seu bebê sobreviveram ao nascimento, mas os médicos tinham um segredo para o qual não tinham certeza se a frágil mãe estaria pronta. "Ninguém me avisou sobre a fenda palatina", disse ela. "Quando o vi pela primeira vez, desmaiei e tive de esperar mais um dia para vê-lo. Ninguém mais teve uma fenda palatina nas nossas famílias, e ficamos ainda mais surpresos porque eu tinha feito várias sessões de ultrassom e nada foi detectado. Por isso, não tivemos tempo de nos preparar para isso.

"Quando vi Anghelo pela primeira vez, ele era tão pequeno e pesava menos de 1.3 kg", lembra Jorje. "Ele estava numa incubadora e coberto de tubos. Nenhum de nós podia entender nossos sentimentos ou situação".

Anghelo before his free cleft lip and palate surgery in Peru

Anghelo passou os seus primeiros meses de vida dentro e fora da UTI Neonatal. O casal alternou as visitas para que pelo menos um deles pudesse ganhar dinheiro enquanto o outro cuidava do bebê. E enquanto se preocupavam com a saúde do seu filho no hospital, o que os aterrorizava de fato era saber que em breve o levariam para casa sem qualquer ideia de como cuidar dele.

Mesmo na UTI, Anghelo se engasgou com leite por causa da sua fenda palatina e precisou de ser alimentado com uma fórmula especial através de um tubo e uma garrafa. Estes suprimentos especiais tiveram um custo, que o seguro da família não cobria. "Por vezes, não tínhamos dinheiro suficiente para pagar os tubos ou as fraldas, e os médicos do hospital nos repreendiam porque não as trazíamos", lembra Michela.

Uma noite, a vergonha e o medo dominaram Michela de tal forma que ela caminhou até uma ponte próxima e balançou um pé sobre a beirada estreita. Ela fechou os olhos e estava prestes a libertar os seus dedos trêmulos do corrimão quando, milagrosamente, um estranho reparou nela e a convenceu a desistir. "Naquele momento eu não pensava em nada. Nem sequer nos meus outros filhos. Em nada".

Anghelo's mother Michela holds him after free cleft lip and palate surgery in Peru

Felizmente, Michela pôde consultar um psiquiatra do hospital após esse incidente. Ao entender que a fenda palatina do seu filho não foi sua culpa, ela se libertou desse sentimento que a consumia desde o nascimento. Embora ela ainda temesse não poder dar todos os cuidados de que ele precisava, quando Anghelo teve alta do hospital aos três meses de idade, Michela já não duvidava que podia dar todo o amor que tinha, que era muito mais do que ela imaginava.

"Eu ainda não sabia como alimentá-lo corretamente, e o pessoal do hospital nunca me ensinou. Era uma questão de vida ou morte, por isso tentei alimentá-lo com a garrafa e felizmente funcionou, mas ainda assim foi difícil porque ele não ganhava peso facilmente por causa do seu palato fendido".

Anghelo as a school-aged boy, smiling after his free cleft lip and palate surgery in Peru

Embora o ideal seja que a primeira cirurgia de fenda palatina de um bebê ocorra aos três meses, Anghelo não estava saudável o suficiente para fazer a sua até os dois anos de idade. A cirurgia só ocorreu a essa altura porque a devoção dos seus pais aos seus cuidados foi igualada pela parceira local da Smile Train Misión Caritas Felices (MCF), determinada a não deixar nenhum peruano com fenda palatina para trás.

Com sede em Lima, o MCF escala cada topo de montanha para oferecer cirurgias a cada criança do país com fenda palatina, além de suporte nutricional, terapia de fala e todos os outros tratamentos necessários não apenas para sorrir, mas prosperar - tudo grátis - graças ao apoio do Smile Train.

Anghelo with his father, Jorje, and mother, Michela, after free cleft treatment in Peru.

Para famílias como a de Anghelo, esse cuidado local faz toda a diferença. Embora a sua primeira cirurgia de fenda palatina tenha sido bem sucedida, ele ainda precisava de cuidados pós operatórios intensivos para se recuperar completamente. Como o Smile Train apoia e treina fornecedores locais como a MCF, os seus especialistas em fenda palatina estavam sempre presentes para verificar com a família se a recuperação da Anghelo estava ocorrendo sem problemas. Com a orientação deles, Anghelo foi autorizado a receber sua segunda cirurgia apenas alguns meses mais tarde, no momento exato em que estava pronto para ela.

Jorje holds his son, Anghelo, as they both grin widely

"Nós rezamos muito para que alguém desse ao Anghelo a cirurgia de que ele precisava. Já tínhamos sido rejeitados duas vezes, e gastamos muito dinheiro para viajar. Então vocês podem imaginar como ficamos felizes quando ele foi finalmente aceito", disse Jorje.

Anghelo laying face-up on a carpet, smiling

Hoje, Anghelo é uma criança de cinco anos saudável e feliz, que gosta de desenhar e tem sempre a cabeça nas nuvens - literalmente. Ao vê-lo subir e descer as encostas escarpadas das montanhas com respiração e energia sem limites, o rosto iluminado com um sorriso cintilante enquanto a neve cobre os picos dos Andes, você nunca saberia que se a família dele tivesse que contar com organizações missionárias para receber cuidados, ele ainda poderia estar confinado à sua casa de um quarto, gravemente abaixo do peso e olhando longamente para essas mesmas nuvens esperando chegar o tratamento de que precisava.

Anghelo drawing at his desk after free cleft treatment in Peru.

"Vamos nos esforçar para garantir que Anghelo receba todo o tratamento de que necessita e estamos imensamente gratos aos doadores da Smile Train, porque não teríamos conseguido sem o apoio deles", disse Jorje. "Há tantas outras crianças e adultos que precisam da mesma ajuda que o meu filho, e algumas vezes eles nem sequer sabem do tratamento. Que vocês continuem a tornar possível o tratamento em mais áreas remotas".

Receba as Novidades da Smile Train

Veja também...

Patient

"Não se preocupe. Os médicos estão prontos para atendê-lo." Embora Noelia não soubesse...

Patient

Héctor Rivas e sua esposa Karen já oravam por um filho há muito tempo, então eles ficaram...

Patient

Em 2017, compartilhamos a história de Auner, um bebê com fissura que foi trazido para...