Alex e Kendra: Nascidos para a grandeza

Smile Train

Genaro é um trabalhador rural no México. Ele não tem um salário fixo e ele e a esposa, Ariela, tinham dificuldade para pagar as contas. Ainda assim, quando Ariela descobriu que estava grávida, o casal não pôde conter a felicidade. Mesmo que tivessem pouco, eles encontraram uma forma de economizar todos os dias para dar ao bebê tudo o que achavam que ele iria precisar.

Quando viram o seu pequeno rosto pela primeira vez, seus corações afundaram. Ele tinha uma ruptura no lábio e uma fenda no céu da boca. Nem Ariela nem Genaro tinham visto um bebê assim antes e estavam aterrorizados - como eles conseguiriam pagar pelos cuidados extra de que seu lindo menino precisaria para ser saudável?

A primeira vez que Ariela ofereceu o peito para amamentar Alexander, o leite escorreu pelo nariz dele e o sufocou. Ariela tentou de tudo; nada funcionou. Ele emagrecia rapidamente e chorava de fome constantemente, noite e dia.

Exausta e sobrecarregada, ela se dedicou de corpo e alma à procura de formas para cuidar do seu bebê. Quando Alex tinha oito dias e era quase pele e ossos, eles seguiram uma dica e levaram o recém-nascido em uma viagem de duas horas e meia de carro para o Hospital del Niño DIF Hidalgo. Sem dinheiro nem seguro, eles não tinham grandes esperanças de que o grande hospital os visse, mas estavam desesperados.

No momento em que atravessaram as portas, eles foram calorosamente recebidos e imediatamente apresentados à equipe de fissura labiopalatina, incluindo o Dr. Eduardo Varela. Ao examinar Alex, ele explicou que a cura de uma fissura labiopalatina exige muito mais do que uma simples cirurgia. É uma longa jornada que pode envolver dezenas de tratamentos ao longo dos primeiros 20 anos de vida da criança, que precisará da paciência e perseverança de toda a família.

Ele respondeu à pergunta seguinte antes mesmo que eles a fizessem: porque o DIF Hidalgo é parceiro de uma organização chamada Smile Train, as consultas desse dia, juntamente com todos os outros cuidados relacionados à fissura labiopalatina de que Alex iria precisar ao longo de seu caminho, seriam fornecidas 100% grátis.

Ariela e Genaro começaram a chorar. Aquela alegria avassaladora de quando eles seguraram seu filho pela primeira vez, finalmente caiu sobre eles.

Determinação, Resiliência, e Resultados

Alex with Dr Varela

A jornada do tratamento de Alex começou imediatamente. A equipe ortodôntica colocou nele um dispositivo personalizado, que começaria a fechar a fissura labiopalatina até que a cirurgia fosse possível. Em seguida os especialistas em nutrição introduziram um pequeno tubo no dispositivo e ensinaram Ariela e Genero a alimentar o filho através de seringas.

Emocionados como estavam por ver seu bebê com um aspecto mais forte e saudável a cada dia que passava, os problemas da família estavam longe do fim. Ir e voltar do DIF Hidalgo levava um dia inteiro usando transportes públicos. A fórmula especializada de que Alex precisava era cara, mais do que eles podiam pagar com tranquilidade. Mas o que faltava à família em termos de recursos, eles compensavam em determinação.

Os esforços incansáveis deles valeram a pena. Em apenas alguns meses, Alex tinha ganho peso suficiente para receber sua primeira cirurgia de fissura labiopalatina com segurança, que foi patrocinada pela Smile Train.

Foi um grande sucesso. Agora Alex podia comer, sorrir e crescer assim como as outras crianças. Parecia um final feliz, mas, na verdade, a história de fissura labiopalatina da família mal tinha começado.

Um novo começo

As boas notícias encheram a casa da família de alegria. Ainda assim, a possibilidade de ter outro bebê com uma fissura labiopalatina lançou uma nuvem sobre a celebração; Ariela e Genaro não seriam surpreendidos outra vez. No sétimo mês de gestação, Ariela já tinha economizado o suficiente para fazer um ultrassom.

A imagem desfocada na tela deixou claro - a filha também tinha uma fissura labiopalatina. Os medos da família voltaram a aparecer. Então Ariela e Genaro respiraram e sorriram. Sabiam o que fazer; tinham uma equipe de alguns dos melhores especialistas em fissuras labiopalatinas do México como uma carta na manga. A menina deles iria viver, falar e sorrir como qualquer outra.

Quando Ariela ofereceu o peito a Kendra pela primeira vez, ela tinha o equipamento especializado recebido do DIF Hidalgo, pronto para ser usado. Alguns dias depois, Kendra fez a sua primeira visita à equipe de fissura labiopalatina, que começou a trabalhar imediatamente no preparo do plano de tratamento a longo prazo.

“Nós tentamos ser sempre crianças comportadas, para não termos de viver com outro rótulo”. - Alex

Kendra and Alex on hay bale

As viagens quinzenais ao DIF Hidalgo eram agora um compromisso de família. Além do tratamento, os quatro se juntaram a outras famílias afetadas por fissuras labiopalatinas no hospital, para círculos mensais de conversa com o objetivo de construir uma comunidade com outras pessoas que sabem como é a experiência.

Alex smiles

Essa rede de apoio provou ser inestimável quando Alex começou a escola. Ariela e Genaro garantiram que ele nunca perdesse uma sessão de terapia da fala apoiada pela Smile Train porque receavam que ele sofresse preconceito pela forma como falava.

Alex nunca se preocupou. Se alguém fizesse uma gozação, ele ignorava. E se perguntassem a ele sobre o seu aspecto, ele dizia: “Tive um acidente e é por isso que tenho uma cicatriz”, e deixava por isso mesmo.

Kendra smiles

As coisas são mais difíceis para Kendra, que é mais reservada. Mas é para isso que servem os irmãos mais velhos. Alex está lá quando ela tem alguma dificuldade, com força e um sorriso que sempre torna as coisas melhores.

Siblings with a lion

Alex e Kendra acreditam que suas fissuras labiopalatinas lhes deram uma vantagem em relação aos outros. Ter que trabalhar arduamente para comer, falar e sorrir desde o momento em que nasceram, lhes ensinou a ter perseverança. Cada tratamento concluído, cada frase clara proferida é outra conquista desbloqueada.

Ariela e Genaro sempre enfatizaram que o que os filhos fazem não é tão importante quanto se eles o fazem com bondade e empatia. Crescer entre a casa dos pais e os corredores do DIF Hidalgo deu às duas crianças a inspiração para fazer o bem, e a confiança de que eles conseguiriam.

Kendra getting dental care

Embora tenha apenas 12 anos de idade, Alex quer se tornar arquiteto para proporcionar lugares onde os desfavorecidos possam viver com dignidade. Aos nove anos, Kendra quer ser especialista em fissura labiopalatina para poder ajudar outras pessoas como ela tem sido ajudada.

A vantagem do modelo local da Smile Train

Alex and Kendra brushing giant teeth on model

Tanto Alex como Kendra completaram a parte cirúrgica do tratamento e agora estão fazendo terapia de fonoaudiologia; Kendra também está recebendo uma ortodontia especializada. Ainda restam muitos anos na jornada deles.

The family stands with doctor

Sem um apoio imediato para a nutrição e ortodontia pré-cirúrgica, essa equipe de irmãos poderia não ter sobrevivido até receber a cirurgia. E, sem ortodontia suplementar, apoio dentário, fonoaudiologia e conexão a uma comunidade local de fissura labiopalatina, eles poderiam nunca ter tido a confiança necessária para falar na escola, fazer amigos e perseguir os seus sonhos de mudar o mundo.

Ajude a dar uma segunda chance para mais crianças como Alex e Kendra, em mais de 70 países. Doe agora.

Receba as Novidades da Smile Train

Veja também...

Newsroom

"Sendo mãe de uma criança afetada por uma fissura, é muito importante para mim ser capaz...

Patient

Localização é tudo. Para muitas pessoas que vivem na Cordilheira dos Andes, quanto mais...

Patient

Quando Dani nasceu com uma fissura, sua família entendeu que teria um caminho difícil a...